Sunday, October 01, 2017

DE RISOS HISTÉRICOS E OUTRAS ALEGORIAS

(A Milos Forman)
Cansaço de mundo inteiro 
E não há final feliz
Não mais exatamente Kafka
Nem Sísifo
Apenas um pianista e
Seu talento para
Compor a própria morte
Sonhando ganhar a vida.

MANIFESTO

Manifesto
Não tem mordaça pra calar tanta voz!
Nem fuzil pra matar tanto sonho!
Ninguém vai transformar em ódio nosso amor!
Bora botar o bloco na rua
Mostrar que o pulso ainda pulsa
E desafinar o coro dos contentes
Bora fazer declaração de amor
Romântica, sem procurar a justa forma.
Bora gritar bem alto que o preço do feijão não cabe no poema.
Bora decretar
Que agora vale a verdade
Agora vale a vida
E pensamos revoar os homens
Usando borboletas
Bora amar
Que amar se aprende amando
E a arte existe
Porque a vida
A vida é tão rara
Porque a vida
A vida não basta
Bora, que chegou a hora
De plantar suculentos morangos de lótus
No lodo mofado dos coturnos
que seguem
Sua marcha insana
Bora!
(Lucilaine Reis e Ricardo De Almeida)
Ontem
Tua boca
Soprou alma
Em minha boca
E o que era
Morte certa
Se contorceu
Em espasmo vital

Ontem
Nossas línguas
Falaram
A mesma língua
No encontro crioulo
De línguas diferentes

Ontem
No breve instante
E novamente
O infinito se afirmou
No desejo de desejar

Ontem
O mundo
Foi tua boca
E minha boca
Um momento

E as duas fizeram o tempo
Descarrilar

Ontem
Hoje
Amanhã
É
Não é
É


(Para Lucilaine Reis)

Friday, February 24, 2017

DEUS ME LIVRE

Em nome do Pai,
do filho e do
Espírito Santo,
Eu tomo refúgio no Buda,
Eu tomo refúgio no Dharma,
Eu tomo refúgio na sanga.
Atotô, Obaluaiê.

Deus me livre de ter só razão.
Deus me livre do peso da tua mão
na minha mão que pesa.
Deus nos livre,
daqui até a posteridade,
de toda e qualquer
teologia da prosperidade.
Deus nos proteja dos monstros
ora gestados
nos velhos ventres
de velhas dualidades.
Deus nos liberte da rigidez
cadavérica das identidades.
E nos permita ver para além
dos ventos das nossas ações,
o nosso brilho
no brilho de cada outro
olhar.

Atotô
Amém
Saravá
Aleluia
Namastê

Friday, February 17, 2017

SÉRIES

Não,
Não estou como todo mundo
Assistindo por hoje às séries.
Todos os desenhos, filmes e séries
Do universo
Já habitaram minhalma
E eu não soube o que fazer com eles.

Hoje,
Revejo caminhos e sonhos
Que não são mais os mesmos
Sob as lentes cansadas
Desse velho menino.

E não,
Não quero mais assistir às séries
Não quero mais
Pelo menos hoje não.