Tuesday, September 16, 2008

Peace Of My Heart

Quero abrir meu coração
Pra tudo o que vier
Mostrar aurículas e ventrículos
Esguichar sangue sorridente

Quero você vermelha bebendo
Cada gota do que sou
Entrando em mim assim
Feito ar na traquéia

Tingindo de rosa
A massa cinzenta do meu crânio aberto
Miolos à milanesa
Have just a little piece of my mind, baby

Pra você me devorar
Eu no teu sexo e você no meu
Regurgitando nossa paz turbulenta de paixão,
Quero abrir teu coração

7 comments:

Ricardo Almeida said...

O título é "peace" mesmo, trocadilho com "piece of my heart".

Fernanda said...

A idéia do sangue contente me agrada demais!
E a maior concessão que poderia fazer seria oferecer um pedacinho da mente. Muito bom.
Beijos, boa semana!

Anonymous said...

Belo poema, vigorosamente colorido.Parece um daqueles quadros que prendem o olhar. A contemplação prrenche, é suficiente, contudo é impossível não pensar que alguns versos emprestariam o sentido do belo à aulas de biologia.Por falar em aulas, vou me antecipar e te desejar um FELIZ DIA DOS PROFESSORES!!

abraços,

Luciane

Cristina said...

Sempre abro meu coração. Nem sempre consigo abrir um coração.
Estava com saudades de ler seus poemas.
Bjs

Fernanda said...

Ricardo, cadê vc? Seus textos viscerais fazem uma faltaaa! rsrs

Beijão!

tia xuxu said...

Ricardo, não creio que vc esteja passando por esse marasmo criativo e muito menos que sua vida esteja esse marasmo todo. Creio piamente que nós somos responsáveis pelo movimento da roda da vida, que criamos oportunidades.Nem que seja apenas mentalizando, desejando,melhor ainda, sonhando.
O sonho é o primeiro passo pra realizar!
Nossa, como tô clichê hoje...(???)
rsrsrsrs
Acho que a gente precisa se reiventar a todo momento.

Beijos e boa sorte nessa jornada de reinvenção.

Liza Leal said...

Feito ar na traquéia é q bebo tua poesia...

Desejo um especial e grandioso 2010!

bjo