Wednesday, September 05, 2007

O Monstro

Peguem a bruxa
Queimem a bruxa
Ela ama demais
Não pode
Só pode amar um

Peguem o monstro
Queimem o monstro
Ele ama demais
Não pode
Só pode amar uma

A bruxa se chama amor
O monstro se chama amor
O amor se chama liberdade

7 comments:

bianca said...

Não deixemos que aprisionem e queimem nossa liberdade, já pouca e tantas vezes podada.
Que bom poder contar com gente como você, sempre ao lado do amor e da liberdade.
E mais uma vez Congratulations on such a piece of art! - Em 13 versos você diz tudo. Alimenta nossos sonhos e nos faz amar mais a vida, e entender que esta só faz sentido se temos amor.
beijos mil!

Cristina said...

A vida sem amor, qualquer forma de amor, não tem sentido. Vamos amar muito, sempre. Exercitando a capacidade de deixar livres nossos amores.
Beijos!

Anonymous said...

O amor é algo tão relativo,se não for em/pela liberdade,ele é apenas uma zombaria...Achei lindo...parece simples,mas suas palavras carregam um sentido muito complexo...eis o talento de um escritor como você: não precisa muito,mas diz muito,mesmo dizendo o pouco...Adorei....Boa semana...beijo

Ricardo Almeida said...
This comment has been removed by the author.
Ricardo Almeida said...
This comment has been removed by the author.
Fernanda said...

O amor tem mesmo essa obrigação, de impor a monogamia?
E se o amor for um sentimento tão grande, que precise ser dividido e distribuído entre vários?
O amor é monogâmico?
Tua poesia me fez pensar.

Denise said...

Olá Ricardo!

"A bruxa está solta";`
"Os monstros sairam do armário";
"A liberdade... bom, esta libertou-se"!
É a primavera chegando e com ela, novas cores!!!

Abraços e boa semana!

Denise