Saturday, January 29, 2005

Canção Desconfiada

Desconfie de certezas
Nada é
Nem se parece
E tudo que é sórdido
Se esconde no ar

Desconfie de fronteiras
A areia não termina
Onde começa a água
E eu não termino
Onde você começa
Se você me faz

E desconfie de quem ama
Não porque não ame
Mas porque amar
É perigosamente
Diluir as bordas
De certezas e fronteiras

Mas sobretudo desconfie de poetas desconfiados
Que desconfiam de tudo
Até mesmo de versinhos
Romanticamente sorridentes
E de poemas incertos
Que amam desfronteiras

12 comments:

Neysi said...

hummmm...desconfio que isso ficou muito bom...

Leila said...

Eu que me vejo ultimamente enganada, ando desconfiada da sordidez escondida nos ventos que brincam com meus cabelos tão soltos...
mas nem sempre é assim.
Beijo.

Anonymous said...

Olá Ricardo, este poema é um alerta para mim, pq confio em muita gente, embora saiba que deva desconfiar. O humano está assim, infelizmente, mas ainda confio em muita gente. Desconfiarei dos poetas, doravante... rsrsrs.
Já identifica-me, mesmo sem assinar? Quero saber o porquê? rs. Beijo meu.
Anne

Anonymous said...

Olá, Ricardo!
Ficou muito legal este poema! Gostei, principalmente, das duas últimas estrofes.
Beijinhos,
Paula.

Anonymous said...

Pois é...quando eu era mais novo eu era cheio de certezas...hoje em dia acho que elas são invenções destinadas a viabilizar essa nossa vida louca aqui na Terra...hoje em dia acho que "só sei que nada sei"...mas não estou muito certo disso-rssssss
Belo poema!

Um abraço,do Bob.

m* said...

Sempre gosto muito do que você escreve, sabe?

Ao ler a Canção Desconfiada, percebi que sempre confio demais... não só nas pessoas, mas também no que eu sinto ou vivo.
Já perdi a conta de quantas vezes me dei mal por ser desse jeito...
Quando eu ainda era adolescente, me diziam: "a gente deve confiar desconfiando"... e eu dizia que só sei confiar confiando, que confiar desconfiando estraga a vista... Hoje, lendo você, repenso isso.

"Desconfie das cerezas. Nada é nem se parece."

Essa frase vai me acompanhar de agora em diante.
Obrigada, poeta.

Um beijo,
Margarida

Anonymous said...

Muito legal o seu blog..
bjos
Be


http://anjinha.betiza.zip.net

Anonymous said...

Ricardo:
É como vc disse: usamos imagens semelhantes, e eu ouso chamar a isso, de "sintonia".Lindo, o seu Poema Desconfiado"...
Meu beijo de carinho imenso,
Míriam Monteiro - http://migram.blog.uol.com.br

Anonymous said...

PErfeito esse texto!
Não desconfio do talento de certos poetas desconfiados!
Um abraço

http://immortalpain.bigblogger.com.br

Anonymous said...

Achei esta canção tão parecida comigo... E, por refletir algumas coisas que escrevi, tomei-a emprestada e acoplei a um post meio antigo. Não pedi para não correr o risco de não poder. =)
Muito obrigada por me refletir! =)
Beijinhos,

Lu Morena
http://paracetamol.weblogger.terra.com.br

lady_bug_falling_star said...

"E desconfie de quem ama
Não porque não ame
Mas porque amar
É perigosamente
Diluir as bordas
De certezas e fronteiras

Mas sobretudo desconfie de poetas desconfiados
Que desconfiam de tudo
Até mesmo de versinhos
Romanticamente sorridentes
E de poemas incertos
Que amam desfronteiras"

Desconfie especialmente desses poetas, porque esses são os mais sacanas, que vêm segundas intenções nos versinhos mais inssossos.....é de um poeta assim que eu preciso, pra interpretar certos poeminhas,porque alguns,tem que ter mente sacana pra fazer,outros ,temos que tê-la pra interpretar....Ui,ui,ui, confusão sai da mente agora....hihihih...Valeu pelos seus coments no meu blog,Ricardo,sempre bem-vindos.
Entre uma espreguiçada ou outra, tbm venho dar uma 'bizoiadinha' nos seus,OK?!
Thanx a lot, and don't let life do to you what it does to others: never be bitter, always be sharp and clever."And Praise the Lord!"...rs

Ciao Ciao

Héber said...

Legal, sua poesia!
Desconfio que você seja uma pessoa bastante desconfiada. Mas não confie na minha desconfiança. Afinal posso estar a seu respeito ao menos seguro que merecei a sua desconfiança à minha desconfiança.
Gostei de seu blog, abraços!